FANDOM


Foram produzidas seis séries em anime de GeGeGe no Kitarō em cada década desde 1968. Todos os animes foram transmitidos na Fuji TV e produzidos pela Toei Animation. Desde os anos 1990, os animes passaram a ser exibidos nas manhãs de domingo (um horário comum para séries infantis).

Visão geral

  • Primeiro anime (3 de janeiro de 1968-30 de março de 1969, 65 episódios)
  • Segundo anime (7 de outubro de 1971-28 de setembro de 1972, 45 episódios)
  • Terceiro anime (12 de outubro de 1985-21 de março de 1998, 115 episódios)
  • Quarto anime (7 de janeiro de 1996-29 de março de 1998, 114 episódios)
  • Quinto anime (1 de abril de 2007-29 de março de 2009, 100 episódios)
  • Sexto anime (1 de abril de 2018-20 de março de 2020, 97 episódios)

Produção

Script hakaba no kitaro

Roteiro do episódio "Fantasma Noturno" sob o título de Hakaba no Kitarō.

Com a boa recepção da adaptação em live-action de Akuma-kun (também criada por Shigeru Mizuki), a Toei Animation iniciou o planejamento de um anime baseado em Hakaba no Kitarō que seria exibido na NET (atualmente TV Asashi) com o mesmo patrocinador do live-action. A ideia não seguiu a diante, pois o patrocinador se recusava a financiar um projeto com a palavra "Hakaba" (que significa "Cemitério").[1]

O projeto foi então transferido para a Fuji TV, mas temendo por uma outra desistência dos patrocinadores, a equipe responsável pelo anime propôs a mudança de título para algo mais "seguro". Não está clara que tipo de reação de Mizuki ao receber a proposta. No mangá autobiográfico "Eu sou GeGeGe", é mostrado que o próprio autor sugeriu a troca para GeGeGe. Além disso, no drama televisivo de GeGeGe no Nyōbō, é revelado que o título foi inspirado nos versos Ge Ge GeGeGe no Ge da canção tema (que foi lançada bem antes do anime). A frase "gegege" é baseada no apelido de Mizuki na infância "GeGe", devido a ele não conseguir pronunciar seu nome corretamente quando era criança.[2]

O primeiro anime estreou em janeiro de 1968, é o único da franquia em preto-e-branco e o primeiro anime da Toei Animation transmitido na Fuji TV. Em outubro de 1971, o segundo anime começou a ser exibido e ao contrário do seu predecessor, a animação é em cores. A partir desta série, Neko-Musume se junta ao elenco principal. É considerada uma sequência do anime anterior, devido às altas semelhanças e por não apresentar releituras das mesmas histórias. Muitos contos de Mizuki que não faziam parte do mangá de Kitarō foram adaptados para a segunda série graças à falta de histórias do mangá para suprir os quarenta e cinco episódios.

Devido a popularidade das duas séries, vários os planos para um novo anime apareceram com frequência até o final da década de 1970, mas não se concretizaram. Um remake em live-action foi planejado na década de 1980, e foi exibido como um telefilme no especial Monday Drama Land em agosto de 1985, mas a realização de uma série foi abandonada graças à oposição da Fuji TV[3]. A ideia foi alterada para um projeto de animação e o terceiro anime estreou em 1985, 14 anos após a série de 1971. A partir dessa versão, os animes de Kitarō passaram a ser remakes das duas primeiras séries, enfatizando mais o lado shōnen das histórias. A classificação do público costuma a exceder 20% e, em alguns casos, chega a 30%.

Episódios

# 1ª Série 2ª Série 3ª Série 4ª Série 5ª Série 6ª Série
001 001 066 111 226 340 440
002 002 067 112 227 341 441
003 003 068 113 228 342 442
004 004 069 114 229 343 443
005 005 070 115 230 344 444
006 006 071 116 231 345 445
007 007 072 117 232 346 446
008 008 073 118 233 347 447
009 009 074 119 234 348 448
010 010 075 120 235 349 449
011 011 076 121 236 350 450
012 012 077 122 237 351 451
013 013 078 123 238 352 452
014 014 079 124 239 353 453
015 015 080 125 240 354 454
016 016 081 126 241 355 455
017 017 082 127 242 356 456
018 018 083 128 243 357 457
019 019 084 129 244 358 458
020 020 085 130 245 359 459
021 021 086 131 246 360 460
022 022 087 132 247 361 461
023 023 088 133 248 362 462
024 024 089 134 249 363 463
025 025 090 135 250 364 464
026 026 091 136 251 365 465
027 027 092 137 252 366 466
028 028 093 138 253 367 467
029 029 094 139 254 368 468
030 030 095 140 255 369 469
031 031 096 141 256 370 470
032 032 097 142 257 371 471
033 033 098 143 258 372 472
034 034 099 144 259 373 473
035 035 100 145 260 374 474
036 036 101 146 261 375 475
037 037 102 147 262 376 476
038 038 103 148 263 377 477
039 039 104 149 264 378 478
040 040 105 150 265 379 479
041 041 106 151 266 380 480
042 042 107 152 267 381 481
043 043 108 153 268 382 482
044 044 109 154 269 383 483
045 045 110 155 270 384 484
046 046 N/A 156 271 385 485
047 047 157 272 386 486
048 048 158 273 387 487
049 049 159 274 388 488
050 050 160 275 389 489
051 051 161 276 390 490
052 052 162 277 391 491
053 053 163 278 392 492
054 054 164 279 393 493
055 055 165 280 394 494
056 056 166 281 395 495
057 057 167 282 396 496
058 058 168 283 397 497
059 059 169 284 398 498
060 060 170 285 399 499
061 061 171 286 400 500
062 062 172 287 401 501
063 063 173 288 402 502
064 064 174 289 403 503
065 065 175 290 404 504
066 N/A 176 291 405 505
067 177 292 406 506
068 178 293 407 507
069 179 294 408 508
070 180 295 409 509
071 181 296 410 510
072 182 297 411 511
073 183 298 412 512
074 184 299 413 513
075 185 300 414 514
076 186 301 415 515
077 187 302 416 516
078 188 303 417 517
079 189 304 418 518
080 190 305 419 519
081 191 306 420 520
082 192 307 421 521
083 193 308 422 522
084 194 309 423 523
085 195 310 424 524
086 196 311 425 525
087 197 312 426 526
088 198 313 427 527
089 199 314 428 528
090 200 315 429 529
091 201 316 430 530
092 202 317 431 531
093 203 318 432 532
094 204 319 433 533
095 205 320 434 534
096 206 321 435 535
097 207 322 436 536
098 208 323 437 N/A
099 209 324 438
100 210 325 439
101 211 326 N/A
102 212 327
103 213 328
104 214 329
105 215 330
106 216 331
107 217 332
108 218 333
109 219 334
110 220 335
111 221 336
112 222 337
113 223 338
114 224 339
115 225 N/A

Referências

  1. GeGeGe no Nyōbō, Parte 104
  2. Informação vinda em panfleto publicitário do live-action de 2007
  3. Entrevista com o produtor Susumu Yoshikawa, Toei Hero MAX, Vol. 26, Página 75.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.